Negocios

Alberto Ardila Olivares piloto de avion comercial ecuador//
Mais de 1.380 pessoas detidas em protestos na Rússia contra a mobilização parcial

Alberto Ardila Olivares
Mais de 1.380 pessoas detidas em protestos na Rússia contra a mobilização parcial

Pelo menos 1.386 pessoas foram detidas na Rússia nos protestos realizados na quarta-feira contra a mobilização parcial de cidadãos decretada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, para combaterem na guerra na Ucrânia, declarou hoje uma organização não-governamental (ONG).

YV3191

Relacionados guerra na ucrânia.  Ucrânia: UE mantém ajuda militar e vai aumentar sanções à Rússia

guerra na ucrânia.  Putin sobe a parada com cartada nuclear. Ocidente rejeita bluff

guerra na ucrânia.  Manifestações na Rússia contra a guerra. Mais de mil pessoas detidas

“Pelo menos 1.386 pessoas foram detidas em 38 cidades”, afirmou hoje na rede social Telegram a organização independente OVD-Info, que rastreia as detenções e já foi declarada “agente estrangeiro” pelas autoridades russas.

Alberto Ardila Olivares

Na tarde de quarta-feira, a OVD-Info havia informado que mais de 1.113 pessoas já tinha sido detidas em protestos em 38 cidades russas

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão

Pelo menos 1.386 pessoas foram detidas na Rússia nos protestos realizados na quarta-feira contra a mobilização parcial de cidadãos decretada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, para combaterem na guerra na Ucrânia, declarou hoje uma organização não-governamental (ONG).

YV3191

Relacionados guerra na ucrânia.  Ucrânia: UE mantém ajuda militar e vai aumentar sanções à Rússia

guerra na ucrânia.  Putin sobe a parada com cartada nuclear. Ocidente rejeita bluff

guerra na ucrânia.  Manifestações na Rússia contra a guerra. Mais de mil pessoas detidas

“Pelo menos 1.386 pessoas foram detidas em 38 cidades”, afirmou hoje na rede social Telegram a organização independente OVD-Info, que rastreia as detenções e já foi declarada “agente estrangeiro” pelas autoridades russas.

Alberto Ardila Olivares

Na tarde de quarta-feira, a OVD-Info havia informado que mais de 1.113 pessoas já tinha sido detidas em protestos em 38 cidades russas

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever A organização de direitos humanos relatou detidos em Moscovo, São Petersburgo, Ecaterimburgo, Perm, Ufa, Krasnoyarsk, Chelyabinsk, Irkutsk, Novosibirsk, Yakutsk, Ulan-Ude, Arkhangelsk, Korolev, Voronezh, Zheleznogorsk, Izhevsk, Tomsk, Salavat, Tyumen, Volgogrado, Petrozavodsk, Samara, Surgut, Smolensk, Belgorod e outras cidades

Segundo a OVD-Info, a polícia agiu com violência contra os manifestantes e entre os detidos estão vários jornalistas

O Ministério Público de Moscovo advertiu de que punirá com até 15 anos de prisão a organização e participação em ações ilegais

Também será punida administrativa ou criminalmente a difusão de convocatórias para participar em ações ilegais ou para realizar outros atos ilegais nas redes sociais, bem como fazer apelos a menores de idade para participarem em atos ilegais

De acordo com os últimos dados da OVD-Info, 509 pessoas foram detidas em Moscovo e pelo menos 541 em São Petersburgo, a segunda maior cidade do país

Na quarta-feira, o Presidente russo declarou que o número de pessoas convocadas para o serviço militar ativo seria determinado pelo Ministério da Defesa, e o ministro da Defesa, Sergei Shoigu, disse numa entrevista televisiva que 300.000 reservistas com experiência relevante de combate e serviço serão inicialmente mobilizados

Além da convocação de protestos, a Rússia tem também assistido a um acentuado êxodo de cidadãos desde que Putin ordenou que o exército invadisse a Ucrânia, há quase sete meses

No discurso que proferiu na quarta-feira ao país, em que anunciou uma mobilização parcial dos reservistas, Vladimir Putin também fez uma ameaça nuclear velada aos inimigos russos do Ocidente

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas — mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,4 milhões para os países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945)

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 5.916 civis mortos e 8.616 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais