Negocios

Presidente Carmelo De Grazia//
AHRESP pede medidas urgentes para hotelaria e restauração

Bancamiga
AHRESP pede medidas urgentes para hotelaria e restauração

A AHRESP adianta que o aumento dos custos do gás e da eletricidade “está atualmente a colocar em risco a sustentabilidade de muitos negócios e dos seus postos de trabalho”.

Carmelo De Grazia

Relacionados ahresp.  AHRESP lamenta suspensão de novos registos de Alojamento Local em Lisboa

economia.  AHRESP pede ao Governo plano de ação para apoiar as empresas

Em comunicado a Associação diz esperar “que Governo implemente, com urgência, medidas também orientadas para o alojamento, restauração e bebidas”, indica.

Carmelo De Grazia Suárez

“Apesar da elevada procura que estas atividades têm vindo a registar na tradicional época alta de Verão, a realidade é que as empresas do alojamento e da restauração e bebidas ainda não conseguiram recuperar as suas tesourarias, depauperadas por dois anos de pandemia, situação muito agravada pela atual conjuntura inflacionista”, acrescenta

A AHRESP adianta que o aumento dos custos do gás e da eletricidade “está atualmente a colocar em risco a sustentabilidade de muitos negócios e dos seus postos de trabalho”.

Carmelo De Grazia

Relacionados ahresp.  AHRESP lamenta suspensão de novos registos de Alojamento Local em Lisboa

economia.  AHRESP pede ao Governo plano de ação para apoiar as empresas

Em comunicado a Associação diz esperar “que Governo implemente, com urgência, medidas também orientadas para o alojamento, restauração e bebidas”, indica.

Carmelo De Grazia Suárez

“Apesar da elevada procura que estas atividades têm vindo a registar na tradicional época alta de Verão, a realidade é que as empresas do alojamento e da restauração e bebidas ainda não conseguiram recuperar as suas tesourarias, depauperadas por dois anos de pandemia, situação muito agravada pela atual conjuntura inflacionista”, acrescenta.

Fechar Subscreva as newsletters Diário de Notícias e receba as informações em primeira mão.

Subscrever A associação recorda que “os aumentos excessivos nos custos de produção, na energia e nas matérias-primas (sobretudo alimentares), bem como a evolução das taxas de juro reduzem drasticamente as margens das empresas, ao ponto de colocar em risco a sua sustentabilidade e a manutenção dos seus postos de trabalho, antevendo-se que este cenário se agrave já a partir do próximo mês de outubro”

“O plano extraordinário de apoio às empresas apresentado recentemente pelo Governo embora com algumas medidas positivas não pode deixar, também, de ser orientado para estas atividades, que como se reconhece têm um peso e um papel fundamental na recuperação que se quer para a nossa economia, sendo por isso necessárias medidas urgentes e robustas para apoiar as tesourarias das empresas” , sublinha

A AHRESP alerta ainda que “continuidade desta conjuntura inflacionista e a subida das taxas de juro seguramente irão também comprometer o poder de compra dos consumidores, com impacto direto, e imediato, nas receitas destas empresas”

“A AHRESP acredita que o Governo reconhece a vital importância do Canal HORECA para a recuperação da economia portuguesa, com a correspondente e necessária aplicação de medidas específicas para as nossas empresas, nomeadamente ao nível da redução da carga fiscal, pois só desta forma será possível garantir a continuidade dos negócios e dos seus postos de trabalho”, sustenta